sábado, 28 de julho de 2012

A DIFERENÇA ENTRE SÁDICO, DOMINADOR, MESTRE, DONO E MENTOR

.

          “Sádico” é o praticante ativo (*) no BDSM que encontra sua plenitude no S&M (sadomasoquismo) e caracteriza-se pelo uso da prática de infringir dor, castigos e torturas às escravas como forma de prazer (.. mútuo – afinal, não nos esqueçamos do "consensual" sempre presente). É o mais fácil de se classificar, pois sua definição consta de qualquer dicionário.

          Já “Dominador” é o praticante ativo no BDSM, mais destacadamente no D/s, caracterizado pela prática de comandar e subjugar escravas, podendo assim obter delas a obediência e a dedicação que almeja, além da entrega de seu corpo.

          Um dominador geralmente também pratica o sadismo. Não só para castigar suas escravas submissas por alguma desobediência ou indisciplina (mantendo assim seu domínio e disciplinamento sobre elas), como também para seu puro prazer, sendo nestes caso um Dominador Sádico.

          Já o “Mestre” é aquele que educa, ensina, orienta e mostra os caminhos do BDSM para a escrava. Ajuda-a a evoluir, a se descobrir, a se desenvolver e se assumir dentro do vasto universo desta nossa fantasia. Com sua prática, experiência e coerência, pode propiciar à ela a descoberta de suas tendências, de seus anseios, seus limites e suas preferências e características. É acima de tudo, um amigo, um parceiro e um guru.


           O Mestre é aquele que transmite seus conhecimentos e experiências no BDSM, mas em private a um numero restrito de pessoas, em sua totalidade escravas. Já o Mentor extrapola este universo e acaba por também repassar seus conhecimentos a outros Mestres e a grupos, chegando inclusive a ser criador e formador de opinião.

         Sua pretensão - como Mentor - é desde o início restrita ao objetivo de disseminar, discutir e aprimorar o pensamento e a cultura BDSM. Se daí surgir alguma "pupila" em especial por quem ele se interesse, ele passará então a ser Mestre dela, não Mentor “dela”. Desta forma, o Mentor não estaria associado a uma relação direta com escravas, como o Mestre, mas sim a uma relação com o meio BDSM como um todo.

          Inclusive, complete-se que o Mentor nem mesmo tem que ser obrigatoriamente um praticante ativo no BDSM, uma vez que pode-se até classificar como mentores alguns(mas) escravos(as) quando eles, de alguma forma, criam, desenvolvem, aprimoram, discutem, ensinam e proliferam a cultura e o pensamento BDSM a outros praticantes, até mesmo ativos.

          Num comparativo, os termos "dominador e sádico" estariam mais ligado à PRÁTICA do BDSM, enquanto "Mestre" estaria ligado à doutrina, ensinamento e pensamento. Desta forma, um Mestre na sessão (seja ela real ou virtual) estaria exercendo também as características de dominador e/ou sádico. Já um dominador – puro e simples – nunca é um Mestre. Quando muito, pode chegar a um "adestrador" ou "disciplinador".

          Ora, pode-se ser dominador sem ser Mestre ? Claro. Basta imaginar uma situação em que um praticante ativo conhece uma escrava já bastante experiente no BDSM. Ele será "Mestre" dela ? Muito difícil. Ele irá tê-la e dominá-la, mas não terá sido ele que a ensinou, guiou ou doutrinou no BDSM. Nem antes, nem durante seu domínio. Assim, ele seria apenas o Dominador dela, mas não o seu Mestre.

          Esta situação é fácil de imaginar, mas e o inverso ? Pode-se ser Mestre sem ser dominador ?

          Claro. Ainda mais hoje em dia - com o desenvolvimento do BDSM na internet –tornou-se comum a figura do Mestre que conhece a escrava nos chats, descobre suas tendências (e faz ela se descobrir), mostra-lhe o universo BDSM, educa-a, faz ela se assumir escrava e se orgulhar disso, descobrindo seus desejos, seus instintos, seus anseios, seus limites e seus prazeres, sem, porém - por algum motivo – possuí-la no Real, desta forma não praticando de fato o ato do BDSM, suas cenas e a sessão tão planejada e imaginada. Ele foi o Mestre dela ? Claro. Não foi o seu Dominador, mas foi o seu Mestre.

          Num caso extremo, poderia-se até imaginar que um praticante ativo pedisse a um amigo seu - mais experiente e paciente com a árdua tarefa de ser Mestre (hehehe) - para "disciplinar e educar a sua escrava". Neste caso, estaria este segundo sendo SÓ MESTRE dela, enquanto seu amigo que a emprestou é que é o Dominador... e Dono dela.

          Porém, como o maior prazer do Mestre é exatamente ensinar, guiar e iniciar  novas escravas ou evoluir aquelas já iniciadas na prática do BDSM, e como para isso é necessário que o Mestre tenha uma grande dose de poder e controle sobre a sub por um longo e irrestrito período de tempo, é comum que um Mestre não se interesse por escravas emprestadas ou por aquelas que se proponham a ser dele em apenas uma sessão. Já os dominadores, sim.

          Continuando, "Dono" é o mais completo e grandioso termo usado para definir um praticante ativo dentro do BDSM. O Dono é aquele que não só domina a escrava, não só a educou, disciplinou e descobriu-a, mas aquele que A TEM. Sua escrava não é simplesmente uma escrava, é "A" escrava. Não é uma sub, e sim a sub DELE. Ele não tem a sua posse restrita às sessões como o dominador, pois sua posse extrapola os limites físicos do BDSM e adentra nos sentimentos, pensamentos, personalidade e convicções de sua sub. A escrava não é escrava sem ele, mas com ele não tem sequer a posse do próprio corpo, que já ofertou a seu DONO, bem como sua mente se volta não para a prática do BDSM (num agrado passageiro àquele que a subjugue numa sessão ou numa cena), mas à dedicação e obediência constante àquele que a conquistou de corpo e alma.

          Mas não limitemos a figura do Dono ao D/s 24/7, onde – convenhamos - sua figura é imprescindível. O Dono existe a partir do momento em que a escrava descobre aquele a quem se entregará e abandona sua busca de um Mestre Dominador. É quando sua libido, seu desejo e seus pensamentos BDSM se voltam para aquela única pessoa com a certeza, a convicção e o orgulho de constatar ser ele sua "cara metade" no universo BDSM.

         Em suma, o Dono tem a entrega da escrava a ele restrita e assumida. Ele tem o DOMÍNIO total e exclusivo da escrava, extrapolando o momento físico da sessão real ou virtual, destacando-o assim do simples Dominador, que pode até dominar escravas que nem são dele.

          Porém, pode-se ser o dominador momentâneo de uma escrava libertina ? Sim. Pode-se até guia-la e ser seu Mestre, mas seu Dono, nunca. Assim o que mais caracteriza o dono é a entrega e fidelidade de sua escrava.

          O Dono também não tem só a atenção e o respeito que tem o Mestre, Ele tem a concordância e obediência cega de sua escrava. Ela não só aprende e se descobre com ele, como é com o Mestre, pois o Dono também impõe seu estilo e molda sua escrava. Afinal, ele é aquele que a sub escolheu não só para conduzi-la, mas para moldá-la e lapidá-la.

          Porém, cumpre acrescentar uma observação: O domínio é uma concepção que pode se materializar através da "propriedade" ou da "posse". Como em BDSM não existe qualquer termo ou ato formal que possa caracterizar uma propriedade (a não ser o registro virtual ou por vezes até cartorial de "contratos de servidão" sem qualquer valor legal ou moral), o Domínio em BDSM não poderia ser exercido através da propriedade, mas tão somente por meio da POSSE. Ou seja, é necessário para ser Dono que o praticante ativo tenha "tomado posse" do que é seu e isso só se processa através de uma relação real.

          Os mais liberais poderiam até encarar uma entrega e sexo virtuais como uma posse do internauta sobre sua escrava. Porém, uma análise mais coerente só leva-nos a concluir que ali houve apenas uma "dominação", nunca uma posse.

          Também a coleira poderia ser confundida como um termo formal de propriedade, mas não é. Ela é um símbolo, e não um termo. Mesmo porque, uma coleira virtual necessita apenas de um clicar no hiperlink "sair da sala" para desaparecer. Porém, a "verdadeira coleira" que um Dono coloca em sua escrava não é virtual e nem mesmo de couro. Ela é de entrega, de convicção, de segurança e de sentimentos. E essa, não há clicar ou fecho que permita tira-la facilmente *pisc

          Destarte, somente pode-se ser Dono no Real. No virtual, no máximo, pode-se ser Dominador.

          Mas não menospreze-se a importância do virtual. Afinal, hoje em dia com a internet, eu diria que o Mestre é uma figura mais presente e salientada no virtual, pois maioria do seu ensinamento e da descoberta da escrava se faz através deste meio. No real, é mais comum o Mestre exercer seu papel de Dominador/sádico, pondo em prática seus ensinamentos e extraindo da escrava tudo aquilo que puderam descobrir, desvendar e aprender em seus contatos virtuais.      

          Bem, espero Ter demonstrado minha visão quanto às diferenças e interações entre Sádico, Dominador, Mestre e Dono, concluindo que o ideal é ser os quatro: Mestre no prelúdio virtual e no desenvolvimento da escrava, Sádico Dominador na sessão e Dono sempre.

                      É a minha opinião, Jot@SM
http://www.mestrejotasm.com.br/difsamedo.htm

quinta-feira, 19 de julho de 2012

DIFERENÇA ENTRE SUBMISSAS E ESCRAVAS

    Uma escrava tende a pensar mais na linha "preto no branco". Elas têm muito pouco espaço para manobras ou tons de cinza na sua escolha. Elas não parecem esperar muita flexibilidade do comportamento de seu Dominante também. Com isto eu quero dizer, se uma escrava está sentindo-se indisposta e logo não completa suas tarefas diárias, esperaria do Dominante o castigo de sempre .
Uma submissa estaria mais inclinada a esperar indulgência do Dominante porque estava indisposta.
    Uma escrava pensa em termos de ser posse, não em termos de estar submetendo-se. Para elas, estar encoleirada em um relacionamento significa ser posse .
Isso não significa que uma escrava vai aceitar um relacionamento abusivo, embora seus limites de tolerância para o que é abusivo e o que não é parece mais alto do que na submissa.
      Essa crença de ser posse origina-se de um forte compromisso tanto no lado emocional quanto mental para com seu Dominante.
Existe um nível de aceitação ao comportamento do Dominante que pode ser mais intenso e abrangente do que muitas submissas consentiriam. Por exemplo, um Dominante quer trazer um terceiro para dentro do relacionamento.
Uma submissa exigirá que alguns critérios sejam observados antes de permitir (sim, permitir), donde uma escrava diria "está acima do meu alcance, se é o que o Senhor quer, então que seja", e resignadamente aceitar a mudança.
    Para alguns, esta forma de pensar é considerada errada ou instituída por meio de abuso, mas isso não é necessariamente verdade.
   Uma escrava floresce no fato absoluto, de que elas literalmente não têm controle sobre o relacionamento ou o que vai acontecer nele, donde uma submissa freqüentemente retém algum grau de controle sobre o relacionamento.
Seu processo de pensamento foca somente no que faria o Senhor (a) mais contente e no como a escrava pode ser mais prazerosa a ele. Submissas tendem a pensar em si mesmas e seu proprio prazer em adição ao do seu Dominante.
     Escravas trabalham duro para porem-se em segundo lugar em todas as coisas, e seus Donos em primeiro. Para elas, isto é o que resulta de ser uma escrava e submeter-se completamente.
Escravas se esforçam muito em conquistar uma paz interior com sua posição escolhida. Com essa paz, vem a aceitação de si mesmas, e um quieto senso de contentamento. Elas vêem orgulho, arrogância e outras emoções como negativas e indesejadas em uma escrava.
    O comportamento de uma escrava é diferente do de uma submissa também. Se você ouvir escravas falarem sobre seus comportamentos (ou assisti-las), elas normalmente falam sobre aceitação quieta, em controlar-se o tempo todo, formalidades, e outras coisas.
Parece haver mais foco no como uma escrava se comporta em qualquer dado momento, com menos margem para ser diferente.
      Em muitos relacionamentos de escravidão, a escrava é exigida a usar o título do Dono ao endereçar-se a ele em qualquer situação, and não conceberiam chamar seu Dono por qualquer outro nome.
A maioria das escravas acha gritar, crises de mau humor, ou de nervos ou qualquer outra forma de comportamento descontrolado da parte da escrava repreensível e meritória de punição severa.
    Escravas poem bastante ênfase no seu comportamento e no como reagem ao seu Dominante. Seguram-se em um alto nível de autocontrole. Cobram de si mesmas terem um comportamento prazeroso o máximo possível. Não vêem margem para molecagem, qualquer forma de "topping from the bottom" (ditar cena) ou qualquer outra forma de manipular o Dominante. Geralmente vêem molecagem como manipulação, choramingos, persuasão ou fazer pedidos novamente depois da primeira negativa como comportamento manipulador que se endereçam aos desejos necessidades da escrava ao invés do Dominante e logo, impróprios.
     Elas olham com desdém para qualquer comportamento que é dirigido a forçar o Dominante a encontrar uma finalidade da própria escrava, em lugar de focar-se na necessidade do Dono.
Uma escrava se esforça pela perfeição interior em completar todas as tarefas que o Mestre lhe dá, enquanto mantém uma parte da sua atenção em coisas que não foram solicitadas a fazer, mas acham que poderia agradar o Mestre se feitas.
     A uma escrava é requerido que seja bastante auto-suficiente e hábil pois freqüentemente tem uma carga forte de responsabilidades. Escravas normalmente sentem que uma escrava não precisa ser orientada nos mínimos detalhes porque isso é enfadonho para seu Dominante, a menos que ele aprecie a meticulosidade.                  Uma escrava vai se comportar com o maior respeito em uma situação formal, e com todo o respeito que qualquer situação exija. (Por exemplo, um momento calmo em casa que não requeira um protocolo rígido, como uma festa formal iria).
     Nenhuma dessas ênfases no comportamento significa que uma não pode ou não faz piada, relaxa ou entra em brincadeiras. Muitas escravas de fato fazem estas coisas. Fazem, contudo, com grande atenção à reação do Dominante e tomam cuidado para não serem deselegantes ou excessivamente sarcásticas. A menos é claro que o Dominante não aprecie este comportamento, então é melhor que ela o restrinja (o comportamento). (N.T.: O que pode ser bastante difícil, e na minha opinião pouco saudável, para alguém que tem naturalmente um senso de humor brincalhão como parte de sua personalidade) Então por favor não entenda que este artigo diz que escravas não se divertem, não têm senso de humor ou algo assim porque seria inverídico. Escravas têm personalidade como todo mundo, e se divertem com ela como todo mundo.  Escravas apenas tendem a ser bem mais preocupadas com a reação do Dominante a estas atividades do que algumas submissas são. Elas também não usam seu senso de humor para provocar o Dominante a agir com elas, a menos que o Dominante aprecie este tipo de elemento na cena. Basicamente elas talham seu comportamento naquilo que o Dominante prefere, e sente-se mais confortável.
     As expectativas de uma escrava acerca de seu Dominante e do relacionamento são freqüentemente diferentes das de uma submissa. Uma escrava não espera satisfação de seus desejos para além de suas necessidades mais básicas.
     Quando o Dominante faz algo além disto para com elas, é visto como um presente, e não o preenchimento de uma necessidade.
Escravas tendem a ver coisas que muitas submissas esperam em um relacionamento, como luxo e não necessidade. Isso não significa que uma escrava vai aceitar ser abusada ou tratada como inútil por longos períodos de tempo, apenas significa que elas não esperam todos os mimos que outros esperam de seus relacionamentos. (como ganhar carinho sob solicitação, falar quando tiver vontade, dormir numa cama, etc).  Escravas sabem que seu relacionamento é difícil às vezes e que sua submissão não é fácil o tempo todo.
Elas esperam serem solicitadas ou ordenadas a fazerem coisas que não vão necessariamente serem prazerosas para si porque seu foco não está na própria satisfação, mas na do seu Dominante.
Esperam ser tratadas como escravas e não mimadas ou bajuladas. Elas esperam ser forçadas em seus limites e ter estes limites expandidos. Esperam preencher as expectativas de seus Dominantes e não verem seus Donos aceitarem qualquer manipulação ou desobediência.
    Elas esperam serem usadas na totalidade de seu talento ou mesmo serem treinadas para aumentar suas capacidades para preencher a necessidade do Dominante.
Não esperam ser consultadas para cada decisão, ter sua opinião requisitada o tempo inteiro, ou algo parecido. Isso não significa que elas esperam ser ignoradas ou tratadas como se elas não importassem, elas apenas não esperam isso como uma parte corrente do relacionamento, apesar de muitas darem suas opiniões, sentimentos, isso é requisitado por seus Dominantes e eles irão freqüentemente leva-las em conta quando tomarem decisões.
   Uma escrava submete-se diferentemente de uma submissa também. Escravas não impõem limites à atividade dos Dominantes.
    Uma submissa vai freqüentemente ter limites mais rigidos que o Dominante não consegue ultrapassar, e limites mais brandos que podem ser suprimidos com prévia negociação.
Uma escrava não tem qualquer dos dois. Elas não vão dizer que o Dominante não pode engajar certo tipo de jogo ou usar um específico acessório.
Elas podem dizer ao Dominante que não gostam desta ou aquela prática ou acessório no começo do relacionamento (preferencialmente antes do encoleiramento) mas não vão rejeitar o Dominante por fazer/usar tais coisas.
Elas contam com a idéia de de serem solicitadas a fazer coisas que não gostariam particularmente e consideram isso como parte do submeter-se, uma vez que seu conceito de submissão coloca a satisfação do Dominante em primeiro lugar, antes mesmo da própria.
Muitas escravas dirão que por causa destes imperativos, uma escrava vai escolher um Dominante com quem tem mais afinidade, logo não vai lhe solicitar coisas que ela se nega terminantemente a fazer.
Mas mesmo assim, a escrava espera que estes limites mudem com o tempo e aceitam que isto aconteça.
      A escrava não é melhor que a submissa em minha opinião, meramente diferente. Algumas destas características podem existir em uma submissa, ou mesmo todas elas.
Estas diferenças básicas parecem existir no tocante aos limites da submissão. Uma escrava não os tem, uma submissa sim.
A palavra que cada uma vai escolher para definir a si mesma segue uma questão de escolha pessoal, e minha intenção nesse artigo não é diferente. Em lugar disso, meu intento é de ajudar outros a entenderem a escrava um pouco melhor, e não as ver como desmioladas ou capachos, porque estas duas palavras não descrevem a maioria das escravas por opção de vida.
    Seja ou não a escravidão uma opção de vida saudável, é uma questão de escolha pessoal. Acredito que isso pode ser uma escolha muito saudável, ao passo que outros discordariam. Como em qualquer relacionamento onde a divisão de poder esteja colocada na ascendência de uma pessoa sobre outra, abusos podem acontecer.
Contudo, eu não tenho base para afirmar que estes abusos ocorram mais com escravas do que com submissas, ou no BDSM de modo geral.




Traduzido Por John Coltrane.
Artigos traduzidos
(Fonte: http://carcereiro.110mb.com/indframes.html - Site do Carcereiro)

domingo, 15 de julho de 2012

Práticas - Sadismo

   O termo sadismo deriva do nome do escritor e filósofo francês Donatien Alphonse François de Sade (Marquês de Sade), e denota a excitação e prazer provocados pelo sofrimento alheio.
    O foco do sadismo sexual envolve atos (reais, não simulados) nos quais o indivíduo deriva excitação sexual do sofrimento psicológico ou físico (incluindo humilhação) do parceiro.
    Alguns indivíduos com esta parafilia se sentem perturbados por suas fantasias sádicas, que são simuladas ou invocadas durante a atividade sexual, mas não efetivamente concretizadas. Nesses casos, as fantasias sádicas envolvem, habitualmente, o controle completo ou parcial sobre a vítima, que se sente aterrorizada ante o ato sádico iminente.
     Outros indivíduos sádicos compartilham seus impulsos sádicos com parceiros masoquistas, que sentem prazer (ou ao menos consentem) em sofrer dor ou humilhação. Este tipo de relação, onde as duas tendências se complementam, é denominada sadomasoquista.
    Outros, finalmente, colocam em prática seus anseios sexuais sádicos com vítimas que não dão consentimento.
Em todos esses casos, o que causa excitação sexual ao indivíduo sádico é o sofrimento real ou potencial da vítima.
    As fantasias ou actos sádicos podem envolver actividades que indicam o domínio do indivíduo sobre a vítima (por ex., forçar a vítima a rastejar ou mantê-la em uma jaula). Os indivíduos podem também atar, vendar, dar palmadas, espancar, chicotear, beliscar, bater, queimar, administrar choques eléctricos, estuprar, cortar, esfaquear, estrangular, torturar e mutilar. Em situações extremas, especialmente quando associadas a casos graves de Transtorno da Personalidade Anti-Social, os indivíduos podem chegar a matar suas vítimas.
    As fantasias sexuais sádicas tendem a ter origem na infância. A idade de início das atividades sádicas é variável, mas habitualmente ocorre nos primeiros anos da vida adulta. O sadismo sexual geralmente é um fenômeno crónico.
      Quando o sadismo sexual é praticado com parceiros que não consentem com a prática, a atividade tende a ser repetitiva. Alguns indivíduos podem dedicar-se a actos sádicos por muitos anos, sem necessidade de aumentar o potencial de infligir sérios danos físicos. Geralmente, entretanto, a intensidade e gravidade dos actos aumenta com o tempo, até que o indivíduo sádico seja preso ou receba tratamento psicoterápico adequado.
(Fonte :http://pt.wikipedia.org/wiki/Sadismo)

Leia também

práticas-masoquismo

sábado, 7 de julho de 2012

É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!


Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.


Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo."
(Fernando Pessoa)

Meu mal é esse eu sempre digo o que sinto, e se me calo os olhos falam. Por vezes os silêncios pronunciam palavras que ora esfriam, ora aquecem o peito.(Angella Reis)

Fases de silêncio  
Quando o silêncio se faz constante é quando mais se tem a dizer . 
Quanto mais as palavras calam maiores se fazem as distâncias , as falhas , interferências e ausência de comunicação .
Eu não queria ter os sentimentos que ainda tenho , assim como não gostaria de vê-los sendo mortos a cada dia e também não gosto do sinto brotar em mim . 
Mas , não se pode conviver apenas com o que se gosta , sofremos influência do meio que nos cerca ... indiretamente , magoamos a quem amamos , da mesma forma que por eles somos magoados . 
Somos falhos !

Estupidamente isolada , sem nada! 
Debilmente aconchegada, nesta morada. 
Subtilmente aprisionada e desesperada, por tudo, sem esperança alcançada 
nesta longa e desinteressante jornada. 
Olho pela janela e vejo uma jovem sentada, que tal como eu me parece cansada. 
Poderia dizer-lhe que está enganada, mas acho melhor continuar parada. 
Assim, não correrei o risco de ser mal interpretada. 
É pena, que no meio de tanta gente neste mundo, consigamos nos sentir, completamente e pateticamente assombradas. 
E apenas bastava...virar a cabeça e olhar de novo a estrada. 
Seguir um rumo diferente e deixar de me sentir abandonada. 
E talvez eu tenha tudo, pensando que não tenho nada!
(maisquetudo)

Vida